segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

BOOM! Eu gritei.




Boom!
Escuto gritos.
São altos, fortes, trêmulos.
Não entendo, não compreendo.
De onde eles vêem?  Será da casa do vizinho?
Creio que não, são muito calmos, não gritariam assim...
Fecho os olhos,tapo os ouvidos.
Ainda gritam. E agora mais forte, mais forte a cada instante...
Não quero ouvir , me nego, ignoro.
 Mas, nada adianta.
Abro o s olhos!
São internos.
 Os gritos vêem de dentro. Não dá para fugir .
E agora o que faço? Devo escutá-los, socorrê-los?
Agora chove.
E eles aumentam seu tom. Confundem-se.
Na confusão, deixam escapar seu nome:  - emoção.
Peço que parem.
 Porém teimoso é o coração.
Está sempre em contradição com a minha mente , e descubro que nem sempre ele está com a razão.
Razão. Razão?
Objeto desconhecido....
Emoção. Emoção?
Algo inexplicável, vivido a cada instante, por todos os seres viventes dotados de um coração.
Boom!
Cessam os gritos.
Não sei o que é mais difícil...
Se é não ouvir os gritos ou entender  que no silêncio materializamos decisões.
Inato.
Mantenho meu paradigma. Driblo a gritaria.
Fecho a cortina e me deito. Na esperança  que no outro dia, tudo se desfaça.
Boom!
Caio no sono. Tranco os gritos.
Fujo de mim.
Boom!
Não resistir.
Sinto-me incomodado. Abro os olhos...
Boom!
Ouçam!...
Eu gritei.

by: C.A

Nenhum comentário:

Postar um comentário