domingo, 30 de janeiro de 2011

Céu (I)




Era fim de tarde...
O sol preparava-se para se pôr...
E Ele, preparava a varanda como de costume,para ver  o nascer das estrelas...
Foi preparar o café,já estava na garrafa...
No caminho, à queda!
Levantou,
Abriu,
Olhou.
Lá dentro, escuridão.
Apenas um feixe de luz, não muito claro, o permitia...
Estava em cacos,o vidro, a ampola...
No café escuro,brilhavam os cacos.
O Céu.
As Estrelas.
Quando deu por si,o pôr-do-sol já ocorrerá e a primeira estrela já brilhava.
Sempre estivera, lá...
O café, o céu
Os cacos, as estrelas.
Era necessário que tudo estivesse escuro.
Luz, na luz nada serve.
A escuridão que necessita ser iluminada.
E Ele, via a estrelas...os cacos,
Só no escuro,
No escuro é possível enxergá-las...
Luzes da escuridão.
Ele, o Céu, o Café...Só à noite...
Via-se as estrelas...




Nenhum comentário:

Postar um comentário