domingo, 12 de junho de 2011

Da consciência do inconsciente

No movimento centrífugo de sua consciência,
inspirou a censura de seus botões.
E assim, foi descobrindo que, se Ele fosse Ele,
não suportaria viver além do segundo da descoberta...

Conflitos.

Decidindo investir, resolveu transformar.
Conheceu sua fragilidade, reconheceu-a.
Simbolicamente, criou, recriou...
No espaço único, sem invasão ou domínio...
Num equilíbrio fictício...
Ali adormeceu.
Num sono, um sonho...
do ideal, perfeito...
Inefável desejo.
De acorda pra vida, quimera querida, que assim bem vivida,
"sustenida" faleceu.


No  diálogo efêmero dos botões: pensamentos.
Convenceram-lhe alí, que das partes que lhe cabem,
sejam elas multifaces:
Eu's de si.
...

Um comentário:

  1. Muito bom! foi feito por tu mesmo?! se foi leva mt jeito pra coisa!! :D

    ResponderExcluir